domingo, 7 de abril de 2013

Crianças: Grandes Mestres

por irene nobrega

As crianças têm muito a nos ensinar, principalmente em relação à alegria que se manifesta nelas de maneira natural, sem grandes exigências. Fico imaginando o quanto nossas vidas poderiam ser menos complicadas se mantivéssemos o hábito infantil de nos alegrar pelas pequenas coisas.
Tantas preocupações, tantos compromissos e necessidades transformam, muitas vezes, o adulto em pessoas sisudas, sem tempo para desfrutar as belezas do dia a dia. Crianças se deleitam em dias de sol quando podem brincar fora de casa; mas os dias chuvosos também têm seus encantos
como assistir desenho na TV ou simplesmente olhar o efeito da chuva pela janela, sem contar que não há criança que não aprecie um bom banho de chuva!
Você já observou crianças doentes em hospitais? Elas estão sofrendo, sentindo dores e desconfortos, mas basta que alguém lhes dê um motivo qualquer para sorrirem e suas faces se iluminam no prazer de uma simples brincadeira. Crianças têm ânsia por felicidade e nada as detêm nessa busca. Claro que nós adultos temos as nossas responsabilidades multiplicadas e que nem sempre são de fácil execução. O que eu me pergunto é o que nos faz tão exigentes em relação à felicidade. Quando foi que deixamos de nos divertir nos dias ensolarados ou chuvosos? Quando foi que perdemos a prioridade por estar junto a nossos afetos? Quando foi que deixamos de apreciar o final de semana pensando na segunda-feira?
Crianças não se “pré-ocupam”; elas têm grande flexibilidade para transformar dificuldades, pois só lidam com o presente dando prioridade ao que lhes dá contentamento. Penso que se mantivéssemos essas características na vida adulta não nos inquietaríamos tanto com o futuro e nossos dias seriam menos penosos, pois, nos permitindo vivenciar os bons momentos, certamente nossas forças se intensificariam para enfrentarmos os problemas da vida.
Quem sabe uma boa sugestão para comemorarmos o “Dia das Crianças” seja deixar que nossa criança interior se manifeste? Pense bem; há quanto tempo você não ri alto e se lambuza com sorvete? Não joga bola apenas para se distrair ou simplesmente pula corda? Procure se lembrar daquela brincadeira preferida e se permita de novo, não tenha medo de parecer ridículo, você não se importava com isso, lembra?
Nada pode ser tão delicioso do que ser ingenuamente feliz, portanto, felicidades crianças!
Autora:Suely Buriasco   http://www.suelyburiasco.com.br/?p=17332
Postar um comentário

liderlagoinha@gmail.com